Viajar de forma Econômica – Para quem acompanha nossas viagens e está acostumado com as nossas narrativas, essa é a terceira de uma série de viagens que fazemos em outro formato (Workaway), mas sem perder nosso espírito aventureiro e nosso amor pelas duas rodas. A partir de agora sempre que você ler /workaway ao lodo do título será uma viagem de voluntariado, que poderá ser cultural, homestay, farmstay, working holiday, aprendizagem de idiomas, assistencial, ou o que vier pela frente.
Você deve estar se perguntando, mas o que é Workaway?
Literalmente é trabalhar fora e é também a principal comunidade do mundo para viagens sustentáveis e intercâmbio cultural.
Depois de se filiar a esse site, você tem acesso a milhares de lugares em todos os cantos do mundo, onde poderá se oferecer para algum tipo de trabalho em troca de hospedagem e alimentação.

« 1 de 5 »

Nesse roteiro pensamos em desvendar um pouco de alguns estados do nordeste brasileiro, que ainda não conhecíamos.

Nossa base, onde ficamos hospedados e também trabalhamos foi na Ilha de Itamaracá, a 40 km de Recife em Pernambuco.

Claro que seria mais rápido, mais fácil e até mais barato se fossemos de avião, mas como gostamos de ir conhecendo todos os sotaques, todas as comidas e todas as pessoas de cada lugar por onde passamos, a moto é sempre a melhor opção.

Partimos de São Paulo no dia 21/12/19 e nosso primeiro destino foi na simpática cidade mineira de Diamantina. Depois de rodar 850 quilômetros nada melhor do que jantar uma típica comida mineira ao som de uma fanfarra regional.

Depois de uma merecida noite de descanso seguimos rumo a Jequié na Bahia, mais 800 quilômetros e mais um jantar típico, desta vez na praça principal da cidade.

Depois de atravessar todo o estado da Bahia, nossa próxima parada foi na capital de Sergipe, onde resolvemos passar mais um dia para conhecer um pouco mais da bela Aracaju.

Dia 25/12 em pleno dia de natal, partimos para o Manga Verde Beach Residence na Ilha de Itamaracá, onde “moraríamos” por 21 dias. Depois de quase três mil quilômetros, atravessando parte do estado de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Sergipe, Alagoas chegamos em Pernambuco, a terra do frevo e do maracatu.

Nossos anfitriões, que nos receberam e sempre nos trataram com muito carinho, foram Anthony e Stephanie, ambos fotógrafos, ele Belga e ela de Madagascar, que desenvolveram um projeto incrível, fotografando crianças em escolas em 193 países. E o pequeno e incansável Lenny de sete anos.

O Manga Verde é um residencial composto por 16 apartamentos completos e muito confortáveis, de frente para o mar, localizado estrategicamente de cara pra onde a lua nasce, vixe é lindo.

Nosso trabalho era ajudar na preparação dos apartamentos para os próximos hospedes e cuidar e brincar com Lenny, o incansável rsrs.

Nossas tarefas levavam em torno de 4 às 5hs, depois disso tínhamos o dia livre para aproveitar as praias quentes da ilha, um pouco de piscina e os animados happy hours que promovíamos todos os finais de tarde em companhia de nossos amigos e também voluntários, da Argentina Júlio, da Bélgica, Lilé e Oscar e do Brasil Elaine e Ximena.

Em nossos dias de folga aproveitamos para conhecer as praias e o centro histórico de João Pessoa, na Paraíba. Além de Olinda, Recife e suas praias.

O bom do nordeste, pra quem gosta de praia, é que por aqui é sempre verão, durante toda nossa permanência tivemos zero chuva, enquanto no sudeste o céu desabava nas tradicionais chuvas de verão.

Outro destaque é a receptividade do povo nordestino, sempre fomos muito bem recebidos pelos moradores locais, frases como bom dia, boa tarde costumam ser rotineiras por aqui, coisa muito simples, mas que parece até que saiu de moda nas nossas grandes capitais, uma pena.

Concluindo, essa foi mais uma viagem Motoa2 / Workaway muito especial, não só pelas belezas naturais do nordeste brasileiro, não só pelos lindos dias de verão, nem só pelas fantásticas noites iluminadas por uma lua maravilhosa, mas principalmente por ter tipo o privilégio de conviver com pessoas que ficarão para sempre em nossas lembranças.

Viajar é colecionar estórias e cultivar novos amigos.

Obrigado, por mais uma vez, nos colocar no lugar certo, na hora certa e com as pessoas certas.